segunda-feira, 31 de agosto de 2009

[introspecções acerca de um mundo]


Tenho estado há tantos tempos distante
Não sinto mais as pernas, nenhum membro
A escadaria me carrega para dentro da mente
E num só fraquejar, me derreto, me cerco

Minha distração aflora
Tudo parece tão intenso

Me torno a arena de um conflito entre eu e eu mesmo
Onde no final de tudo, somente eu serei o perdedor

Frente a frente, a segurança e o medo
Me fazendo deslocar de um canto a outro
Um prisioneiro do tempo auto-destrutivo

4 comentários:

Cafeína Mental disse...

O nosso mundo provoca um conflito atravéz do tempo.. colocando-nos frente a frente com o nosso reflexo cego.
Te compreendo(+_+).

nOise disse...

as vezes acho q o melhor é esquecer...


deixar de viver sensação de materia e subverter o suposto espaço tempo criado por nosso primitivo cerebro.

chega de ser oq o passado nos impoe,vivamos de fantasia.

Celina disse...

Não tô sentindo nada... Nem as perninhas, nem as asinhas... hehehe

gabi disse...

lesera criativa...hehe